Câmara dos Deputados dos EUA aprova a Lei de Melhoria da Segurança de Cosméticos de 2020

Avaliação de Segurança em Cosméticos se tornará mais rígida e mais profunda a partir desse ano

Recentemente os consumidores se tornaram mais vigilantes a respeito das substâncias contidas em seus produtos de beleza e higiene. Nem todos os produtos cosméticos passam ao consumidor a confiança necessária para serem usados, apesar de estarem no mercado há bastante tempo. No entanto, apesar de ser primordial na formulação, não é só de um leque de componentes aprovados que um produto de qualidade necessita.

Infelizmente, ainda há um grande número de empresas que não segue os processos de fabricação e desenvolvimento de fórmulas da maneira recomendada pelas agências sanitárias ao redor do mundo.

Nos Estados Unidos, os membros do Subcomitê de Saúde do Comitê de Energia e Comércio da Câmara deram um passo além e aprovaram uma legislação histórica sobre segurança de cosméticos. Trata-se de uma atitude significativa para que, finalmente, os consumidores estejam livres de ingredientes químicos potencialmente tóxicos em produtos para cuidados pessoais.

Empresas para substanciar a segurança do produto

A Lei de Aprimoramento de Segurança de Cosméticos de 2020 é de autoria do presidente do Comitê de Energia e Comércio, Frank Pallone. O projeto de lei inclui, entre outras disposições:

• Exigir que as empresas de cosméticos comprovem a segurança de seus produtos

• Notificar a Administração de Alimentos e Medicamentos sobre eventos adversos à saúde

• Que a FDA tenha o poder de realizar suas próprias análises de segurança

• Mandato de que os fabricantes forneçam mais transparência sobre os ingredientes em seus rótulos

Contaminantes em cosméticos podem representar risco

Embora muitos produtos químicos e contaminantes em cosméticos provavelmente apresentem pouco risco, a exposição repetida a alguns ingredientes e contaminantes usados ​​em cosméticos e outros produtos para cuidados pessoais tem sido associada a sérios problemas de saúde, incluindo câncer.

Desde 2009, 617 fabricantes de cosméticos relataram o uso de 93 produtos químicos associados a câncer, defeitos congênitos ou danos reprodutivos em mais de 81.000 produtos", disse Scott Faber, vice-presidente sênior de assuntos governamentais do EWG.

Vemos que nos Estados Unidos, onde há mais de 80 anos não se votava uma atualização na regulamentação cosmética pela última vez, as coisas estão mudando, e para melhor!

Link para notícia

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

+55 (11) 3129-5398

Acompanhe-nos!

  • YouTube Instituto Harris
  • Facebook Instituto Harris
  • Instagram Instituto Harris
  • E-mail Instituto Harris
  • LinkedIn Instituto Harris
  • Twitter Instituto Harris

Única empresa no Brasil especializada na avaliação de segurança de ingredientes e produtos cosméticos sem o uso de animais.