Av Comendador Alberto Bonfiglioli 587- sobreloja
Jardim Bonfiglioli - São Paulo - 05593-001 

 

+55 (11) 3129-5398

Acompanhe-nos!

  • YouTube Instituto Harris
  • Facebook Instituto Harris
  • Instagram Instituto Harris
  • E-mail Instituto Harris
  • LinkedIn Instituto Harris
  • Twitter Instituto Harris

Única empresa no Brasil especializada na avaliação de segurança de ingredientes e produtos cosméticos sem o uso de animais.

O óleo de peixe considerado ômega-3

17/05/ 2017 | 

Hoje em dia, infelizmente ainda existem diversas rotulagens e propagandas enganosas, mesmo que haja uma rígida regulamentação sobre rotulagem de alimentos e suplementos; e o principal exemplo são os produtos denominados ômega-3.

O ômega-3 na realidade são óleos de peixe, mas sua maioria, não oferece seus reais benefícios, já que possuem um alto teor de lipídios saturados ou ômegas de cadeia curta.

No metabolismo dos ômegas existe o ácido linoleico (ômega 6) que dá origem, após seu processamento, ao ácido araquidônico e, consequentemente, a compostos da cadeia inflamatória, as prostaglandinas, os leucotrienos e as tromboxanas.  O ácido alfa-linolênico (ômega 3 de cadeia curta), por sua vez, pode ou ser convertido a gama-linolênico, e passar também a gerar compostos pró-inflamatórios, ou pode gerar o ácido eicosapentaenóico (EPA), que é convertido por sua vez em ácido docosahexaenóico (DHA), esses últimos também conhecidos como ômega-3 de cadeia longa. Ambos não sofrem conversão à série pró-inflamatória e, pelo contrário, compõem a serie anti-inflamatória gerando resolvinas e protectinas, substâncias essenciais para o reequilíbrio da homeostase orgânica no reparo de processos inflamatórios.

Deve-se consumir lipídeos das duas séries, porém devido à dieta desbalanceada há um grande excesso de lipídeos da série ômega-6, de forma que a suplementação eficaz deve ser realizada apenas com os componentes da série ômega 3 que não podem ser internamente convertidos em ômega-6, ou seja: deve-se realizar a suplementação com EPA e DHA.

O que encontramos no mercado, porém?

Produtos rotulados como “ômega-3” ou então “ricos em EPA e DHA” e, quando se observa a rotulagem, vê-se que esses componentes compreendem 30% ou, no máximo (em poucos produtos) a 66% da fórmula. Ou seja: o consumidor acredita que está restabelecendo o balanço consumindo ômega-3, quando na verdade ele pode estar piorando a ingestão de componentes da série ômega-9.

Sendo assim, é bom ficar atento quanto à composição de seu suplemento para não prejudicar sua saúde.

 

Quer saber mais a respeito? Acesse: http://cosm-eticos.org/artigos/afinal--e-omega-3-ou-oleo-de-peixe-

Notícias

Siga

  • Facebook Social Icon
  • Google+ Social Icon
  • YouTube Social  Icon